LITERATURA

QUASE-COISA.

 

LANÇAMENTOS

PROSA

Mockup_3d_Leo.png

AMPUTAÇÃO AFETIVA DE NÓS

Um distopia sobre uma ilha mística e um povo que perdeu sua memória para a tecnologia.

Por:

R$40

POESIA

Topografia_m.png

TOPOGRAFIA BACANAL

Toda a poesia obscena do autor, incluindo obras inéditas, reunida em um único volume.

Por:

R$43,83

GRÁFICA

Vamadeva_m.png

VAMADEVA

Um conto anti-exotérico, com ilustrações do artista plástico Gabriel Brito.

Por:

R$40

 

SOBRE

LEONARDO

Bio.png

TRIANDOPOLIS

VIEIRA

Leonardo busca na palavra escrita um símbolo para-abstrato, acromático, que não funcione apenas como ferramenta para objetivar suas subjetividades, mas também que funcione como mônada para uma criação artística insurgente. Através da apropriação, da ressignificação e da manipulação indiscriminada da palavra em seu corpo coletivo (o texto). Um contínuo ensaio, um estado de greve, disruptivo em sua consciência de um sentimento insubmisso. Arte em chamas, posto que a criação devora tudo ao seu redor. A palavra é fogo e aqueles que a operam não passam de galhos secos. Um não escritor, um quase coisa.

Pessoas na biblioteca
Contrafuturismo logo.png

Manifesto Contrafuturista

 
Prateleira de livraria

Thaís Maciel Piasentine Barbosa

Leonardo Triandopolis Vieira consegue desafiar um leitor mais tradicional que está disposto a expandir suas experiências literárias.

Joaquim Basso

O autor, mais conscientizado das desigualdades que o circundam, ajusta a ótica conferida sobre questões raciais e sobre as consequências da escravidão no país, cujo fardo atinge até hoje nossa sociedade.

Jeferson Barbosa

A sua obra mexe muito com o simbolismo e a nossa cultura. É um escritor corajoso, sem medo de experimentar.