A profundidade rasa.


A nossa condição de criaturas que pensam e repensam enquanto instrumento da ficção de nós – do que nós somos, do que nós pretendemos ser, do que nós pensamos ter sido –, e do que nos cerca é uma constante que me angustia. Se a ficção é o que é, concluo que a nossa profundidade é rasa.

O raso é raso até quando?

A epistemologia das coisas, na qualidade de reflexão geral em torno da natureza, faz com que eu, enquanto um quase coisa, hora acredite que sou um sujeito indagativo que sonha que é um objeto inerte, hora acredite que sou um objeto inerte que sonha que é um sujeito indagativo.

O paradigma é um paradoxo.

E quem sou eu para nadar a favor da maré dessas profundidades tão rasas?

Assintomático, organizo-me enquanto um quase coisa, um não escritor, um meta artista. O meu manifesto é um contramanifesto.

A minha situação é um buraco negro no sol central do universo.

Alguém sabe onde fica o centro ou se o universo tem um centro, quanto mais um sol central?

A não resposta está em Hermes Trismegisto, que é o megazord formado por Epicuro, Tagore e Viracocha.


#crônica #escrita #reflexão #pensamento #metapensamento

37 visualizações1 comentário
  • skoob-icon-300x300
  • YouTube
  • Instagram

© 2020 por Leonardo T. Vieira.